Existe esperança para os sírios?

As horrendas imagens das vítimas de um aparente ataque com armas químicas em Ghouta, subúrbio de Damasco, correm o sério risco de entrar para a história apenas como mais uma das atrocidades cometidas na guerra civil da Síria. A ofensiva pode ser a mais grave do tipo desde 1986 (quando Saddam Hussein matou ao menos 3,2 mil curdos), o que configuraria uma derrota moral da comunidade internacional, mas ainda assim pode ficar impune. A dificuldade de comprovar a autoria do ataque é imensa e, caso isso ocorra, não parece haver disposição e possibilidades factíveis para punir os responsáveis.

Diversos especialistas ouvidos pela mídia internacional apontam que as fotos e, principalmente, os vídeos postados na internet indicam o uso de armas químicas em Ghouta. As imagens parecem trazer ao presente alguns dos piores relatos da Primeira Guerra Mundial. As vítimas têm dificuldade de respirar, algumas apresentam convulsões, tremedeiras e espumam pela boca. Os corpos de mulheres e crianças estão nas pilhas de mortos.

Imagem de vítimas do aparente ataque químico. Foto: @othm_ali
Imagem de vítimas do aparente ataque químico. Foto: @othm_ali

oposição síria atribui os ataques a Bashar al-Assad. É uma acusação verossímil. Em abril, França, Israel e Reino Unido afirmaram que “muito provavelmente” o regime realizou ataques químicos em pequena escala. Para um especialista, a estratégia de Assad era inserir aos poucos esse tipo de armamento no conflito (como fez com tanques, helicópteros, caças e mísseis) para testar a reação da comunidade internacional. Não se sabe por qual razão Assad usaria esses armamentos num momento em que os ventos da guerra sopram a seu favor.

O governo sírio negou de forma veemente o uso de agentes químicos e a Rússia, sua principal aliada, atribuiu os ataques aos rebeldes. Não é impossível. O Jabhat al-Nusra, braço da Al-Qaeda que atua nas fileiras rebeldes de forma proeminente, pode ter algum tipo de arma química. O uso na escala em que os vídeos de Ghouta mostram, entretanto, seria uma grande surpresa em termos da capacidade da oposição. A motivação seria provocar a comunidade internacional a intervir.

ONU continua palisada

Se comprovado o uso de armas pelos rebeldes, muito provavelmente o apoio ocidental a eles ficaria insustentável. A pressão de organizações humanitárias, da mídia e de outros setores da sociedade civil faria minguar a pouca ajuda que Estados Unidos, França e Reino Unido enviam aos opositores de Assad. Para esses países seria, também, uma forma de lavar as mãos e abandonar um conflito visto por muitos como insolúvel.

Se for comprovado que Assad foi o responsável pelo ataque, a comunidade internacional seria instada agir. Das Nações Unidas não virá o sinal verde para a intervenção. A entidade é a melhor organização que os seres humanos foram capazes de criar para não nos matarmos até o fim dos tempos, mas ela é inoperante neste caso. Ao que consta, a Rússia bloqueou, em reunião do Conselho de Segurança na noite de quarta-feira 21, uma resolução que condenava o ataque. Após o encontro, o vice-secretário-geral da ONU, Jan Eliasson, disse que a entidade “vê necessidade” de investigar o ataque na Síria e “espera” que o governo sírio autorize a investigação.

A constrangedora declaração revela o que o mundo já sabe. Ninguém pode forçar Assad, o principal suspeito do ataque, a autorizar a investigação. Nesta semana, chegou à Síria um pequeno grupo de inspetores da ONU para avaliar denúncias de uso de armas químicas em março. A ONU tenta obter autorização do regime para enviar os inspetores para Ghouta, mas é improvável que Assad a conceda. Como a forma ideal de comprovar o uso de armamentos com toxinas seria examinar as vítimas logo após o ataque, talvez o caso prossiga duvidoso por muito tempo.

A alternativa à ONU é uma ação unilateral das potências ocidentais, como a que houve na Líbia. O ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, afirmou que o Ocidente deveria reagir “com força”, mas afastou qualquer possibilidade de enviar tropas à Síria. A porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos rechaçou perguntas sobre a “linha vermelha” estabelecida por Barack Obama em agosto de 2012, quando o presidente dos Estados Unidos disse que o uso de armas químicas “mudaria seus cálculos”. “Não estou falando sobre linhas vermelhas. Não estou tendo um debate ou conversa sobre linhas vermelhas e não estou estabelecendo linhas vermelhas”, afirmou Jen Psaki. William Hague, o ministro do Exterior do Reino Unido, manifestou indignação com o ataque e afirmou que espera ver, “um dia”, a punição dos culpados.

A guerra civil síria está em seu terceiro ano. Deixou mais de 100 mil mortos1,8 milhão de refugiados e provoca instabilidade política no Líbano e no Iraque. A ONU está paralisada e as potências ocidentais, que poderiam mudar a história numa mistura de interesses humanitários e imperialistas, temem entrar no conflito e torná-lo ainda pior, com o envolvimento do Irã e de Israel. Neste contexto, resta à comunidade internacional observar, estarrecida, mais um fracasso da humanidade. Diante do dilema, os governos de EUA, França e Reino Unido optam por dar declarações genéricas. Preferem pedir justiça em longo prazo. Só que em longo prazo, como lembrou John Maynard Keynes, estaremos todos mortos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s